Aparições de Nossa Senhora das Graças

AS APARIÇÕES marianas são vistas como um sinal da divina Promessa de salvação aos fiéis, e também, muitas vezes, como um prelúdio do Apocalipse. Entretanto, a maioria desconhece que os relatos das visitas especiais da Virgem Maria a este mundo remontam, no mínimo, ao século III, quando Gregório, o Taumaturgo, atestou que Maria lhe aparecera uma noite, acompanhada de João Batista, para introduzi-lo no Mistério da piedade.


AS APARIÇÕES MARIANAS são vistas como um sinal da divina Promessa de salvação aos fiéis, e também, muitas vezes, como um prelúdio do Apocalipse. Entretanto, a maioria desconhece que os relatos das visitas especiais da Virgem Maria a este mundo remontam, no mínimo, ao século III, quando Gregório, o Taumaturgo, atestou que Maria lhe aparecera uma noite, acompanhada de João Batista, para introduzi-lo no Mistério da piedade.

Popularmente, considera-se que as modernas aparições marianas tiveram início com as visões da camponesa Bernardete Soubirous, em Lourdes, na França, no decorrer do ano de 1858: essas visões até hoje inspiram o interesse de religiosos e pesquisadores de fenômenos supranaturais do mundo inteiro.

Mas, na realidade, as aparições da Virgem Maria na era moderna começaram 28 anos antes do ocorrido em Lourdes, no Convento das Irmãs de Caridade da Rue du Bac, em Paris, França. Ali, uma freira chamada Catarina Labouré afirmou que a Virgem lhe aparecera como uma figura cercada de luz, com um pé sobre um globo branco e o outro pisando a cabeça de uma serpente com manchas amarelas. Nas mãos, disse Catarina, a Virgem levava uma esfera dourada que representava o mundo, - imagens fortemente relacionadas com o que se lê no Livro das Revelações (Apocalipse), no qual se lê que uma “Mulher vestida de Sol” luta contra Satanás pelo destino das almas humanas.

Catarina Labouré contou que a Virgem lhe prevenira de que o mundo estava prestes a ser dominado por “males de toda espécie”, e também relatou que Maria Santíssima a encarregara de mandar cunhar uma medalha que reproduzisse a forma com que ela se apresentara: por isso, essa aparição ficou conhecida como a de Nossa Senhora das Graças ou da Medalha Milagrosa.

As aparições da Santíssima Virgem Maria a Santa Catarina Labouré, em 1830, marcaram, portanto, o início de um ciclo de grandes revelações marianas. Um ciclo que prosseguiu em La Salette (1846), em Lourdes (1858) e culminou em Fátima, em Portugal (1917).

Invariavelmente, as mensagens de Nossa Senhora deploram os pecados do mundo, mostram e relembram à humanidade o Caminho, seu Filho e Nosso Senhor Jesus Cristo, única possibilidade de perdão e misericórdia à humanidade pecadora, e previnem contra severos castigos em caso de não conversão. Mas também anunciam que, após esses castigos, virá o esplendoroso triunfo do Bem.

A Catarina Laboré, a Imaculada Virgem Maria se manifesta do Céu para trazer-nos um sinal, o seu retrato em uma Medalha bendita, derramando Suas Graças aos filhos que pedirem a sua intercessão; e por causa dos milagres a esta relacionados, o povo cristão deu a esta medalha o título de “milagrosa”.

A Medalha Milagrosa é um rico presente que Maria Imaculada quis oferecer ao mundo no século XIX, como penhor de suas bênçãos maternais, como canal de milagres e como meio de preparação para a definição dogmática de 1854. Foi na comunidade das Filhas da Caridade, fundada por São Vicente de Paulo, que a Santíssima Virgem escolheu a confidente dos Desígnios divinos, recompensando a devoção que o santo Vicente sempre teve à Imaculada Conceição de Nossa Senhora, e que deixou por herança aos seus filhos e filhas espirituais.

Catarina Labouré nasceu em 2 de maio de 1806, na Côte d'Or, França, e aos 24 anos de idade tomou o hábito das Filhas da Caridade. Noviça ainda, muito humilde, inocente e unida com Deus, era ternamente devota à Santíssima Virgem, a quem escolhera por Mãe desde que, pequenina ainda, ficara órfã. Ardia em contínuos desejos de ver Nossa Senhora e instava com seu Anjo da Guarda para que lhe alcançasse este favor especialíssimo.

Saiba mais sobre a primeira aparição.