Primeira Aparição de Nossa Senhora das Graças De 18 para 19 de Julho de 1830

A primeira aparição ocorreu durante a noite do dia 18 a 19 de julho de 1830. A Virgem Gloriosa apareceu à irmã Catarina Labouré, às onze e meia da noite. Irmã Catarina acordou-se e ouviu claramente chamar por 3 vezes: "Irmã"...


A primeira aparição ocorreu durante a noite do dia 18 a 19 de julho de 1830. A Virgem Gloriosa apareceu à irmã Catarina Labouré, às onze e meia da noite. Irmã Catarina acordou-se e ouviu claramente chamar por 3 vezes: "Irmã"...

Olhou para o lado de onde vinha a voz, afastou a cortina e viu um menino vestido de branco; Catarina viu nele o seu Anjo da Guarda. O menino lhe disse: "Vem à Capela, a Santa Virgem te espera".

Ela vestiu-se depressa e seguiu o Anjo, tendo-o sempre à esquerda. As luzes por onde passaram estavam acesas, o que lhe causou admiração; mas muito maior foi o seu espanto quando, ao chegar à Capela, a porta se abriu, mal o menino a tocou com a ponta dos dedos. Na capela, todas as velas estavam acesas. O menino a conduzia ao Santuário, junto à cadeira do padre diretor. Catarina espera e reza. Passado uma meia hora, o Anjo diz de repente: "Eis a Santíssima Virgem".

Ao lado do Altar, onde normalmente se lê a epístola, Maria desceu, dobrou o joelho diante do Santíssimo e foi sentar-se numa cadeira no coro dos sacerdotes. Num abrir e fechar de olhos, a vidente atirou-se aos seus pés, apoiado suas mãos sobre os joelhos maternais da Santa Virgem. Foi esse o momento mais belo de sua vida. Durante duas horas, Maria falou com Catarina duma missão que Deus queria confiar-lhe e também das dificuldades que iria encontrar na realização da mesma.

Conta-nos Catarina: “Ela me disse como eu devia proceder para com meu diretor, como devia proceder nas horas de sofrimento e muitas outras coisas que não posso revelar”. Essas coisas que ela não podia contar, em 1830, revelou-as depois: “Várias desgraças vão cair sobre a França; o trono será derrubado; o mundo inteiro será revolto por desgraças de toda sorte”. Falou também de “grandes abusos” e “grande relaxamento” nas comunidades de sacerdotes e freiras vicentinas, e que deveria alertar disso os superiores.

Voltou, em seguida, a falar de outros terríveis acontecimentos que ocorreriam em futuro mais distante, prevendo com 40 anos de antecedência as agitações da Comuna de Paris e o assassinato do Arcebispo; prometeu sua especial proteção, nessas horas trágicas, aos filhos e às filhas de São Vicente de Paulo. Depois Maria desapareceu, e o Anjo a reconduziu para o dormitório.